segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Maíra Fernandes e Deborah Prates na II Conferência Nacional da Mulher Advogada - Instituto dos Advogados Brasileiros | IAB




Foto: Da esquerda para a direita, Maíra Fernandes, Deborah Prates, Claudio Lamachia, Eduarda Mourão, Helena Delamonica e Florany Mota. Todos sorrindo à frente das bandeiras de todos os estados brasileiros.


Maíra Fernandes e Deborah Prates na II Conferência Nacional da Mulher Advogada - Instituto dos Advogados Brasileiros | IAB: (clique no título ao lado)


Sem dúvida alguma foi uma inenarrável honra ter também representado o nosso IAB nessa Conferência. Em tom de crítica construtiva é que lembro da violência sofrida pelas mulheres com deficiência. Tema esse que, me nenhum momento, foi trazido à consciência coletiva. Estamos diante da naturalização do preconceito, o que o leva à institucionalização. As mulheres com deficiência continuam invisíveis aos olhos de suas iguais sem deficiência. Eia uma brutal violência. Quando deixamos de nos indignar com essas escancaradas injustiças iniciamos o triste processo de desumanização. Por isso resisto!


Segue matéria completa, retirada do site do IAB (link logo acima no título deste post):



Chefe de Gabinete do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Maíra Fernandes representou a entidade e integrou a mesa de honra na solenidade de abertura, no dia 28 de novembro, em Belo Horizonte (MG), da II Conferência Nacional da Mulher Advogada, organizada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. O evento, de dois dias de duração, teve como tema central "Democracia e Gênero". Foram discutidas as principais questões femininas frente aos desafios da advocacia contemporânea. A advogada Deborah Prates, da Comissão de Direitos Humanos do IAB, participou no dia 29 de novembro do painel sobre Discriminação de Gênero e Violação de Prerrogativas no Exercício Profissional.

A presidente da seccional alagoana da OAB, Fernanda Marinela, proferiu a conferência magna de abertura da conferência. “É hora de as mulheres em posição de liderança reconhecer que, embora estejamos em um mundo masculinizado, podemos sim ser mulheres”, afirmou. Segundo ela, “a discussão precisa ser honesta, envolvendo todas as barreiras e obstáculos para entender o sistema”. Conforme Fernanda Marinela, “num primeiro momento discutia-se o feminismo da igualdade, em que as mulheres tinham de se portar como homens. E foi isso que trouxe um sentimento de inferioridade. Mas evoluímos e saímos dele para o feminismo da diferença, onde o valor positivo era exatamente a diferença. Homens e mulheres são distintos”.

Em seu pronunciamento, a presidente da Comissão Nacional da Mulher Advogada da OAB, Eduarda Mourão, lembrou os ideais da Revolução Francesa, de igualdade, fraternidade e liberdade. “O sonho dos revolucionários franceses de ter uma sociedade mais igual, fraterna e livre, infelizmente, não foi inserido no arcabouço cultural brasileiro”, afirmou. Segundo ela, “por isso, as mulheres têm sim uma história de superação, por sempre terem sido relegadas a lugares secundários”. Para Eduarda Mourão, “o cenário do Brasil é de índices devastadores contra a mulher, com aproximadamente 15 mortes por dia”.

Ela lembrou que a mulher idosa e a negra são as que mais sofrem violência física, psicológica e patrimonial. “Precisamos de muito mais estrutura para a rede de proteção à mulher, que hoje opera fazendo milagres, em vista de sua precariedade de recursos”, defendeu. Eduarda Mourão acrescentou: “Ora, estamos falando do Brasil, onde o salário das mulheres é 32% menor que o dos homens. Não podemos andar na contramão da história e assistirmos 15 mil mulheres se candidatarem como laranjas nas últimas eleições e sequer votarem em si mesmas”.

O presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, afirmou que “a OAB congrega hoje mais de 477 mil advogadas e 523 mil advogados e tem buscado contribuir para a promoção dos direitos das mulheres, impulsionando a valorização das profissionais da advocacia e pugnando pela consecução da plena igualdade de gênero no País”.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres

Campanha: 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres. Contribuí com um artigo publicado hoje no blog Justificando. Divido-o com vocês



Descrição da imagem para DV's: logo do blog Justificando, com o J em vermelho e o resto da palavra em preto. Abaixo, a frase: mentes inquietas pensam Direito (com o D maiúsculo fazendo referência à profissão)

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Participação no site Justificando: Movimento 11 por 11

Compartilhando a responsabilidade e a alegria de integrar o rol dos 11 juristas no movimento 11 por 11. Rumo ao STF










Descrição da imagem: Logo do site "Justificando": a letra J em vermelho, enquanto o resto da palavra é escrito em preto. Abaixo a frase: Mentes inquietas pensam Direito.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Os oprimidos precisam se unir para o fim do cruel preconceito e seguida discriminação

Membro da Comissão de Direitos Humanos do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Deborah Prates representou a entidade no curso Racismo Institucional e Sistema de Justiça, realizado pela Defensoria Pública do Rio, em sua sede, no Centro, nos meses de setembro e outubro, em parceria com o Centro de Estudos Jurídicos, a Fundação Escola Superior da Defensoria e a ONG Criola. “Para mim foi uma inenarrável honra ter representado o nosso IAB no curso”, afirmou Deborah Prates, primeira pessoa portadora de deficiência visual a ingressar nos quadros do Instituto.
“Como ativista da causa das pessoas com deficiência e feminista não me surpreendi com os horrores relatados pelos maravilhosos palestrantes”, acrescentou a advogada. Segundo ela, “os palestrantes expuseram, com segurança, exemplos e gráficos nos quais os negros são os que têm o menor nível de instrução, os menores salários, os maiores índices de assassinatos, o menor acesso aos cargos políticos, os que morrem prematuramente e os que sofrem outros tipos de injustiças sociais”.



Descrição da foto: Deborah Prates, falando ao microfone, vestida de blusa branca e cachecol vinho. Foto da barriga para cima.


quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Campanha Acessibilidade Atitudinal - vídeo 11 - dia das crianças 2016

Bonecos com deficiência para o dia das crianças


Nesse dia das crianças, você daria um boneco com 

deficiência para uma criança de suas relações?


sábado, 1 de outubro de 2016

Palestra no Teatro dos Sentidos

Na noite de 30/09/2016, tive a honra de fazer uma palestra no teatro Maria Clara Machado (Planetário/RJ), após a exibição da peça "Feliz Ano Novo", apresentada pelo Teatro dos Sentidos, da pensadora Paula Wenke.

Fiquei muito feliz ao sentir que na plateia havia pessoas conscientes aguardando a minha fala sobre a acessibilidade atitudinal. Então, mostrei a importância do trabalho de Paula Wenke na minimização do preconceito em relação às pessoas com deficiência. Como todo preconceito, está introjetado na mente dos humanos e, portanto, visto com a maior naturalidade. Verdadeiramente, o preconceito está institucionalizado, pelo que explicado fica a nossa invisibilidade social.

Através do Teatro dos Sentidos, no qual os espectadores são convidados a vendarem os olhos e curtirem a peça com apenas os sentidos remanescentes. Durante o espetáculo, as pessoas têm a oportunidade de, enquanto curtem a peça, também olhar para dentro de si e se encontrarem com os ogros e fantasmas que habitam a todos nós.


Ao término do espetáculo, ao retirarem as vendas, muitos estão prontos para olhar para fora e encontrar a alteridade. Daí o terreno fica fértil para sermos vistos. Foi uma experiência maravilhosa! as fotos mostram a magia do momento.






Descrição das fotos para deficientes visuais:
1 - Deborah Prates, sentada numa cedeira preta, com um microfone na mão, calça preta, casaco verde e uma rosa vermelha no cabelo.
2 - A rosa vermelha, de perto
3 - Deborah ainda palestrando, dessa vez com o foco da câmera no lado direito
4 - Uma parte da plateia, de perto, ouvindo Deborah Prates. Há 145 pessoas na foto, todas com uma rosas vermelha na mão (parte do espetáculo).

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

O IAB abraça a causa das pessoas com deficiência

Queridos amigos, na quarta-feira 21/09/2016, fiz uma manifestação no IAB pedindo à sociedade que refletisse sobre a luta das pessoas com deficiência. Após a minha fala, alguns colegas também ocuparam a tribuna e fiquei muito emocionada ao ouvir sucessivos pedidos de desculpas à todas as pessoas com deficiência em decorrência da invisibilidade social a que somos submetidos diariamente.
Nossa, foi lindo perceber que ainda dá para desconstruir a cultura do preconceito! Como diz a minha querida amiga Maíra Fernandes, avante! Agradeço ao IAB pela maravilhosa acolhida a nossa causa.


"
No Dia Nacional de Luta das Pessoas Deficientes, a consócia Débora Prates, primeira advogada com deficiência visual a se tornar membro do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), assumiu a tribuna na sessão ordinária desta quarta-feira (21/9) e defendeu que a entidade seja atuante nas questões relacionadas à inclusão social. Em seguida, o presidente nacional do IAB, Técio Lins e Silva, acolheu a sugestão feita pelo 3º vice-presidente, Sergio Tostes, de que a entidade crie a Comissão de Inclusão Social destinada a estudar, discutir e apresentar propostas jurídicas relacionadas aos interesses e direitos das pessoas deficientes. Técio Lins e Silva informou que irá submeter a sugestão à Diretoria, para definição da melhor forma de atender ao pleito." (Retirado de IAB Nacional)